Terça-feira, 28 de Novembro de 2006
Notas sobre mudança individual e personalidade

Como se dá a mudança na vida de um indivíduo? Como reage o indivíduo à mudança que vive, voluntariamente ou em virtude de factores externos? Parece-me que tal depende antes de mais da forma de ser/estar de cada um, no entanto o fundamental para começar é: de que mudança estamos mesmo a falar?

Isto porque será diferente a mudança de determinado aspecto da vida de um indivíduo, da mudança de vários aspectos, mas sobretudo da mudança no próprio indivíduo. Por enquanto, tomar-se-á como semelhante a reacção de um indivíduo a uma mudança por si próprio impulsionada, e a reacção a uma mudança que o indivíduo é levado a viver ainda que contra a sua vontade.

Tratando-se da mudança em dado aspecto da vida, por importante ou central que seja, penso que o indivíduo reagirá de acordo com as características fundamentais da sua maneira de ser. Admitindo, claro, que nada é tão linear e que as personalidades aqui explanadas são extremos, sendo portanto que na realidade ambas se encontram na generalidade dos indivíduos, uma e outra com determinado peso.

Desta forma a pessoa espontânea e emotiva, que age impulsivamente, tenderá à mudança rápida, carregada de emoção e imediatismo, rumo ao que no imediato considera ser o melhor para si. Ainda que por vezes seja atravessada por momentos de dúvida acerca das suas escolhas, a sua impulsividade leva-a a descartar as dúvidas e seguir em frente. E como segue em frente, poucas vezes pára para se questionar, as dúvidas são cada vez menos frequentes: a mudança dá-se rapidamente e o indivíduo adapta-se ao novo contexto.

Por outro lado, a pessoa racional e contida, que tudo planeia, tenderá a uma mudança lenta e esquematizada, muito bem pensada para que a mudança decorra exactamente da forma que pretende, rumo ao que pretende. Ao contrário da anterior, devido às permanentes interrogações que faz a si própria, a dúvida não se faz de momentos, sendo antes uma constante de todo o processo de mudança. Dada a necessidade de certezas para agir, e à presença de dúvidas constantes, a mudança é lenta e a reacção do indivíduo muitas vezes penosa, uma vez que as certezas que procura serão muitas vezes inatingíveis. O indivíduo acaba por, mais que ser um agente da sua mudança, ser um observador que somente retoma a acção quando a dúvida se torna insustentável e a mudança total e absoluta uma tarefa inadiável.

Tratou-se até aqui da forma como a personalidade interfere na mudança num dado aspecto da vida de um indivíduo. Importa agora equacionar a forma como o indivíduo pode levar a cabo um processo de mudança na sua própria personalidade, antes que se chegue ao ponto fundamental: como pode um indivíduo inserido num processo de mudança, mudar também a sua personalidade face à mudança que enfrenta?

foto:http://www.hprt-cambridge.org/Layer3.asp?page_id=62



Essencialmente, para o que me for apetecendo. Ideias sobre a sociedade, coisas da sociologia, análise de questões políticas... Comentários à actualidade, assuntos pessoais relativizados e quando me apetecer, também dá para chatear alguém.
Sociólogo, 28 anos, residente em Coimbra. Bolseiro de investigação na área do insucesso e abandono escolares no Ensino Superior. Mestrando em "Relações de Trabalho, Desigualdades Sociais e Sindicalismo".
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


Utopias recentes

Notas sobre mudança indiv...

Utopias antigas

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

Links
Em busca da Utopia
 
Subscrever feeds