Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007
Porcos, burros e outros burocratas


Portugal, por vezes, assiste a "acontecimentos", que me deixam na dúvida entre classificá-los como trágicos ou cómicos.


Lá para os lados de Álcacer do Sal, mais concretamente no Torrão (por acaso, mas só por acaso, onde irei para a passagem de ano: juro que não tenho nada a ver com o caso), um digníssimo suinicultor decidiu que a sua criação, sublinhe-se que ilegal, já não lhe serviria para nada, portanto virou costas, seguiu estrada fora rumo ao pôr do sol, e abandonou os animais, presos, para morrerem pela fome e pela sede.

Posto isto, um cidadão inconsciente decide intrometer-se no que não lhe diz respeito e denuncia a normalíssima situação. As autoridades vieram a encontrar cerca de cinco dezenas de suínos já mortos pela fome, e outros tantos a caminho de tal destino, que receberam nesse sentido uma ajudinha, tendo sido abatidos.

O cenário encontrado terá sido de tal forma dantesco, que o Laboratório de Defesa Biológica do Exército foi chamado para levar a cabo todos os procedimentos necessários, de forma a proteger a Nação desde verdadeiro ataque terrorista com armas biológicas. Por outro lado, talvez tenha sido apenas para (finalmente) justificar a criação do dito Laboratório.

O que é mesmo tragicómico é que as mesmas autoridades já tinham conhecimento da situação há nada mais nada menos que sete anos. Mas, claro está, nada podiam fazer. Repare-se:

"Cabe Á DGV legalizar as explorações. Mas este caso, nunca tendo sido legalizado, "não tinha de fechar", disse Lopes Jorge [responsável da Direcção Geral de Veterinária]. A mesma resposta foi avançada pela veterinária municipal Antonieta Santos, quando questionada sobre o porquê do tardio encerramento da exploração: "Nunca foi mandada fechar porque, oficialmente, nunca abriu.""

Fascinante. Mas o que eu não percebo, e agradeço imenso que me expliquem, é: se a exploração nunca existiu oficialmente, porque nunca abriu oficialmente, então nunca existiram oficialmente porcos, portanto nunca existiu oficialmente risco para a saúde pública, logo não havia necessidade de lá ir oficialmente Laboratório e demais autoridades, abater porcos que, oficialmente, nem sequer existiam. Intrigante...

Na verdade, dá nojo o produtor, que provavelmente nunca será acusado pelos seus actos, e dá também nojo a autoridade, que sempre soube da situação e nada fez, e mais nojo ainda a justificação inimaginável que encontraram.

Pior é pensar que tudo isto se integra na estrutura que (des)governa as nossas vidas.

Adenda: Aparentemente, ao que ouvi dizer, a veterinária municipal citada já havia denunciado a situação à DGV, sendo a citação a resposta que recebeu, sendo que nada terá feito por para tal não ter autoridade.



Essencialmente, para o que me for apetecendo. Ideias sobre a sociedade, coisas da sociologia, análise de questões políticas... Comentários à actualidade, assuntos pessoais relativizados e quando me apetecer, também dá para chatear alguém.
Photobucket
Sociólogo, 28 anos, residente em Coimbra. Bolseiro de investigação na área do insucesso e abandono escolares no Ensino Superior. Mestrando em "Relações de Trabalho, Desigualdades Sociais e Sindicalismo".
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


Marcha pela Liberdade e Democracia
Utopias recentes

Porcos, burros e outros b...

Utopias antigas

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Counter Stats
sydney forklift
sydney forklift Counter
tags

todas as tags

Links
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Em busca da Utopia
 
Subscrever feeds